Posts Tagged ‘ong’

ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA

A Missão
A ASF tem como objetivo principal, a elevação da qualidade de vida humana através da promoção de atividades científicas, filantrópicas, educacionais e/ou literárias na área de saúde pública no Brasil.
A Instituição
A Associação Saúde da Família (ASF) é uma instituição não governamental, filantrópica com sede na cidade de São Paulo. Atua na área de saúde pública em todo o território nacional. No ano de 2004 com objetivo de fortalecer as atividades nas regiões norte e nordeste, foi estabelecido um escritório na cidade Fortaleza, Ceará.
A ASF trabalha em estreita parceria com os setores público, privado e outras organizações não governamentais com objetivos similares. Participa em programas de atenção básica a população, e realiza assistência técnica na área gerencial de programas em saúde cooperando com a formação de recursos humanos, monitoria e avaliação de programas e projetos, Organiza e promove atividades educacionais como conferências, seminários, exposições como forma de divulgar os avanços técnicos e científicos no Brasil e em outros paises. A ASF também atua na realização de pesquisas qualitativas e quantitativas com objetivo de avaliar os seus programas e projetos e contribuir com a produção de conhecimento.
Dados históricos
A idéia de criar uma Organização não governamental dessa natureza surgiu em 1992 , atendendo à proposta da Family Health International de desenvolver projetos de Prevenção e Controle da AIDS no Brasil com recursos doados da Agencia Norte Americana para o Desenvolvimento Internacional.. Totalizando uma média de dois milhões de dólares doados por ano, durante cinco anos, e com a cooperação da Family Health International é estabelecida em outubro de 1992 a Associação Saúde da Família. Em seguida é assinado um termo de cooperação com a Family Health International, uma Instituição também não governamental, norte americana, com objetivo de implementar o Projeto AIDS Controle e Prevenção no Brasil também conhecido como projeto AIDSCAP. De 1992 até 1999 a Associação Saúde da Família implementou mais de 170 projetos de intervenção e pesquisa nas áreas de Saúde Reprodutiva e na Prevenção e tratamento ao HIV/AIDS /DST.
Nos anos de 1999 e 2000 visando responder as necessidades de se implementar programas na área de saúde pública, com a colaboração do Dr. David Capistrano da Costa Filho, a instituição passa por um processo de reorganização da sua diretoria. Na ocasião é criando um comitê técnico cientifico tendo como presidente o Prof. Dr. Adib Domingos Jatene.
Gestão
A estrutura de gestão da ASF é composta por um presidente, diretores, um comitê técnico cientifico assessor, um conselho fiscal, uma coordenação executiva e gerentes de programas e projetos.
Cabe a presidência da instituição, aos diretores, ao comitê técnico cientifico e a coordenação geral executiva a orientação geral da ASF e as decisões maiores da política técnica, administrativa e patrimonial.
O presidente da instituição é eleito por indicação dos diretores, ex-presidentes, membros do comitê cientifico e membros do conselho fiscal, para mandato de dois anos. O presidente é o representante legal da instituição.
O Comitê técnico cientifico é composto por 16 membros formado pelo presidente da instituição, pelo presidente do comitê cientifico, coordenação geral executiva e membros do comitê cientifico que tem o papel de orientar e cooperar com a ASF do ponto de vista cientifico e administrativo.
A coordenação executiva e os gerentes de programas e projetos têm como atribuição básica à implementação de dos programas e projetos da ASF.
Com mandatos de dois anos o presidente, diretores, membros do comitê cientifico tem mandatos de dois anos com possibilidade de reeleição, a partir de indicações da presidência, presidente do comitê cientifico e diretores.
Como trabalhamos
Tradicionalmente desde sua criação a ASF têm trabalhado em parceria com os setores públicos, privados, universidades, e outras organizações não governamentais na implementação de programas e projetos na área da saúde.
Este trabalho se dá por meio do estabelecimento de convênios com instituições públicas, outras ONG’s, setor privado e doadores nacionais e internacionais.
Este convênio tem seguido basicamente três linhas: Cooperação na implementação da atenção básica à saúde; Projetos de Prevenção e Controle do HIV/AIDS/DST, saúde sexual e reprodutiva; e projetos e programas especiais na área de saúde pública.
Os projetos de prevenção e controle do HIV/AIDS tem sido realizados desde 1992 em parceria com o setor publico, não governamental e privado com recursos da USAID, Fundação Ford, Fundação MacArthur, Fundação Levis Strauss, Embaixada Britânica, Fundação Elton John e diversos doadores do setor privado no Brasil.
Em 2004 a área de responsabilidade social da Johnson e Johnson do Brasil iniciou apoio a projetos de prevenção ao HIV/AIDS nas cidades de São Paulo e Fortaleza.
Os projetos e programas especiais voltam-se para as necessidades de implementação de atividades inovadoras ou pontuais como o caso de construção de unidade básica de saúde com doação de recursos do setor privado em área carente da cidade de São Paulo, cooperação no cadastramento das pessoas e domicílios como parte da implantação do cartão SUS, estabelecimento e manejo de residência terapêutica para egressos dos hospitais psiquiátricos.
A decisão de a instituição participar, ou não, de um programa ou projeto é sempre tomada em função da necessidade da implementação das atividades para melhorar a qualidade de vida da população, para criar modelos de intervenção educativa e de assistência que possam ser expandidos para outras regiões do nosso país ou outros paises, e também é levada em conta à capacidade da instituição de desenvolver as atividades propostas com qualidade.
A Instituição tem como meta primordial trabalhar com resultados utilizando sempre a avaliação como mecanismo de aprimoramento do seu trabalho.
Desenvolvimento e Capacitação Institucional
Com objetivo de capacitar recursos humanos em áreas consideradas estratégicas do nosso trabalho e de nossos parceiros a ASF tem realizado ao longo dos anos investimentos consideráveis no sentido de assegurar que os seus quadros e de seus parceiros possam se desenvolver no desenho, implementação e avaliação dos seus programas e projetos. Coopera com o setor público e privado na modernização da infra-estrutura de saúde, na compra de equipamentos e na capacitação de recursos humanos para desenvolvimento das atividades de assistência e promoção à saúde com qualidade, ensino sobre o apropriado manejo de dados, informações, assim como desenvolve a capacidade de indivíduos e instituições para analisar o resultados de avaliação quantitativa e qualitativa nas diversas áreas de atuação.
A ASF tem transferido conhecimento na área de manejo financeiro de recursos através de software desenvolvido pela instituição, tem prestado assistência técnica no desenvolvimento de planos estratégicos e planos de trabalho, tem construído de forma participativa instrumentos de monitoria e avaliação dos programas e projetos que desenvolve em parceria com outras instituições. Realiza diversas atividades visando transferir tecnologias de trabalho e capacita indivíduos para o manejo apropriado de pacientes e da população em área de abrangência do programa de atenção básica à saúde.
PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA – PSF
O Programa de Saúde da Família é a estratégia definida pelo Ministério de Saúde (MS) para oferecer uma atenção básica mais resolutiva e humanizada no país.
A Atenção básica é um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde. É a porta de entrada do sistema de saúde e se articula com os outros níveis de atenção.
O Programa Saúde da Família é operacionalizado mediante equipes compostas por um médico, um enfermeiro, dois auxiliares de enfermagem e seis agentes comunitários de saúde (ACS), baseados em uma unidade básica de saúde (UBS).
Cada equipe é responsável pelo acompanhamento de cerca de 1000 famílias num território definido dentro da área de abrangência da Unidade Básica de Saúde a que pertence.
Cada UBS pode conter até oito Equipes de Saúde da Família.
SOBRE OS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL – CAPS
O CAPS é regulamentado pelas Portarias Ministeriais GM 336 de 2002 e compõe a rede de atenção de saúde mental substitutiva ao modelo asilar e manicomial. É um serviço territorial e público que oferece cuidados em saúde mental para pessoas com transtornos mentais graves e persistentes. Realiza acompanhamento psicossocial interdisciplinar e a (re)inserção social pelo acesso ao trabalho, escola, lazer, cultura, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários, caracterizado por um cuidado intensivo, comunitário, personalizado e promotor de vida. Além disso, o CAPS compõe uma rede de cuidados e inclusão social, articulando outros equipamentos da saúde, de outras secretarias e recursos comunitários existentes no território.
PROGRAMA DE SAÚDE MENTAL
A ASF na perspectiva de contribuir no processo de construção do novo modelo de atenção à saúde mental a partir das diretrizes da Reforma Psiquiátrica e do Sistema Único de Saúde, constituiu o Programa de Saúde Mental para promover ações na área, inicialmente através do convênio com a Secretaria Municipal de Saúde da cidade de São Paulo e posteriormente com a cidade de Guarulhos.
Os CAPS segundo suas características podem ser:
* CAPS I, CAPS II ou CAPS III, de acordo com o tamanho da população atendida e composição a equipe. O CAPS III tem funcionamento 24h.
* CAPS infantil – destinado a crianças e adolescentes com graves comprometimentos psíquicos e/ou de conduta.
* CAPS saúde mental adulto destinado aos adultos com transtornos mentais graves e persistentes.
* CAPS Álcool e Drogas destinados a pessoas com transtornos decorrentes do uso e dependência de substâncias psicoativas.
SOBRE OS SERVIÇOS RESIDENCIAIS TERAPÊUTICOS – SRT
Os SRTs compõe, juntamente com os CAPS, a rede de atenção em saúde mental substitutiva ao modelo asilar, garantindo cuidado, inclusão social e emancipação de portadores de transtorno mental com vínculos familiares precários ou inexistentes internados por longo período de tempo em hospitais psiquiátricos.
É regulamentado pelas portarias do Gabinete do Ministério da Saúde n° 106 de 11 de fevereiro de 2000. A portaria estabelece que quando o paciente com internação de longa permanência sai do hospital psiquiátrico, o recurso da Autorização de Internação Hospitalar – AIH destinada ao hospital psiquiátrico é transferido para o teto do município, garantindo o custeio do usuário no Serviço Residencial Terapêutico. A partir desta transferência, o leito do hospital de origem é fechado.
O SRT é uma casa, inserida na comunidade, para oito pessoas e é vinculada e acompanhada pelo CAPS de referência no território, garantindo o cuidado em liberdade e com inclusão social. Cada casa possui uma equipe composta por um coordenador, que pode ser profissional do CAPS e divide seu tempo entre os dois serviços, ou contratado pela ASF exclusivamente para este fim; e por 6 Acompanhantes Comunitários – ACs divididos em plantões para cobertura 24h.
Convênio com a SMS-SP (São Paulo)
Este convênio foi firmado para estabelecimento de uma parceria na implementação da Política de Saúde Mental e da Reforma Psiquiátrica no município de São Paulo.
Foram implantados no ano de 2004 o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas – CAPS AD II Ermelino Matarazzo, o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS II Saúde Mental Adulto Formosa/Aricanduva, o Serviço Residencial Terapêutico – SRT da Lapa e o Projeto “Anjos Urbanos”.
O Projeto “Anjos Urbanos” era um projeto piloto de acompanhamento domiciliar para pessoas com dependência funcional.
Em meados de 2008 foram implantados mais 6 SRT: Butantã I, Ermelino Matarazzo, Itaquera, Mandaqui I, Pirituba/Jaraguá I e Jabaquara.
No início de 2009 foram implantados mais 10 SRT: Butantã II, Perdizes, Itaim Bibi, Mandaqui II, Brasilândia, Pirituba/Jaraguá II, Vila Prudente I e II e Aricanduva I e II.
No 1º semestre de 2009 foram implantados o CAPS II Infanto-Juvenil Freguesia do Ó/Brasilândia e o CAPS III Itaim Bibi.
Convênio com a SMS-G (Guarulhos)
Este convênio foi firmando em meados de 2007, com a implantação do CAPS II Infanto-Juvenil Recriar e no final deste mesmo ano o CAPS II Adulto Arco-íris. Em dezembro de 2009 foi inaugurado o CAPS III Alvorecer. Estes serviços compõem a rede municipal de saúde mental da Secretaria Municipal de Saúde de Guarulhos.
PROGRAMA ACOMPANHANTE DE IDOSOS
A população idosa paulistana representa uma expressiva e significativa proporção: 11,4% da população total. A cidade de São Paulo se organiza para responder às crescentes demandas dessa população que envelhece. As diretrizes das políticas públicas para esse segmento requerem estratégias para garantir condições de autonomia, integração e participação efetiva da pessoa idosa na sociedade, na comunidade e na família, reafirmando o seu direito à vida, à saúde e à dignidade.
O Programa Acompanhante de Idosos reflete o compromisso da Secretaria Municipal de Saúde da cidade na oferta de políticas públicas que atendam às necessidades das pessoas idosas. Apresenta-se como um desafio na reconstrução das práticas de saúde, ao valorizar o cuidado como prática humana e ao voltar-se para a prestação de serviços à pessoa idosa em situação de fragilidade e vulnerabilidade social.
A ASF é parceira da SMS/SP no Programa Acompanhante de Idosos em 12 equipes compostas por 17 profissionais cada.
http://www.saudedafamilia.org

Anúncios

Read Full Post »